Epidemias ao longo da história

Epidemias ao longo da história

A humanidade já sofreu com diversas epidemias, propagadas por vírus, bactérias ou outros micro-organismos, ao longo da história. Populações foram verdadeiramente dizimadas em tempos em que a medicina ainda não era avançada como nos dias de hoje. Estragos foram tão expressivos como grandes guerras ou desastres naturais.

Os estudos dessas doenças possibilitou que hoje existam protocolos de atendimento, de prevenção e atuação do Estado e Órgão de Saúde. Algumas não foram erradicadas e exigem atenção até hoje. Vamos ver algumas delas?

 

Peste Negra (1333 – 1351)

Bactéria Yersinia pestis
Transmissão: Pulgas dos ratos e outros roedores
Combate: Melhora da higiene e o saneamento nas cidades, diminuindo a quantidade de ratos urbanos.

A Peste Negra é considerada a maior epidemia da história da humanidade. Acredita-se que ao fim da Idade Média, no século XIV, o número de mortos por conta da doença tenha variado entre 75 e 200 milhões de pessoas. Estima-se que um terço da população do continente europeu tenha morrido por conta da doença. 

A própria noção de quarentena surgiu nesse período da história: a então República de Veneza foi bastante atingida pela peste negra. Um membro do clero sugeriu que se adotasse a restrição de circulação livre das pessoas, especialmente daquelas que chegavam em barcos e navios. 

 

Tuberculose 

Bactéria Mycobacterium tuberculosis – o bacilo de Koch
Transmissão: Pessoas contaminadas
Combate: Antibiótico por 6 meses para pessoas contaminadas e para crianças até 4 anos a vacina BCG (Bacillus Calmette-Guérin) é uma forma de prevenção.

Em 2018, cerca de 10 milhões de pessoas contraíram tuberculose no mundo e 1,5 milhão morreram da doença. Foram vítimas da doença estão o poeta romântico Castro Alves, o cantor Noel Rosa, o dramaturgo Nelson Rodrigues e o escritor modernista Manuel Bandeira.

 

Varíola (1896 – 1970)

Vírus Orthopoxvírus variolae
Transmissão: Pessoas contaminadas
Combate: Vacinação

De 1896 a 1980, 300 milhões de pessoas morreram em consequência à varíola. A doença atormentou a humanidade por aproximadamente três mil anos, sendo erradicada nos anos 80 após uma campanha de vacinação em massa. Nomes famosos como o faraó egípcio Ramsés II, a rainha Maria II da Inglaterra e o rei Luís XV da França foram vítimas da temida “bexiga”.

 

Gripe espanhola (1918 – 1920)

Vírus Influenza
Transmissão: Pessoas contaminadas
Combate: Evitar o contato com pessoas contaminadas e higiene das mãos

Contaminou mais de 500 milhões de pessoas e provocou entre 17 e 50 milhões de mortes. Ao menos um quarto de toda a população do planeta se infectou com essa doença. 

Bares fixaram anúncios dizendo que a cerveja curava a gripe. O povo, num ato de desobediência civil, ignorava as orientações e seguia participando de enterros ou indo às missas. A estátua do Nosso Senhor do Bonfim teve de ser retirada do altar porque as pessoas faziam peregrinação para beijar os pés do santo, transformando-se num ponto de contágio.

 

Tifo (1918 – 1922)

Bactérias do gênero Rickettsia
Transmissão: Insetos infectados (piolhos, pulga dos ratos e carrapatos).
Combate: Uso de antibióticos nos doentes, higiene e saneamento básico.

O ambiente pós Primeira Guerra Mundial deixou a Europa um lugar extremamente propício para a propagação de doenças. Muita miséria, falta de saneamento básico e detecção acabou por espalhar ratos por todo o continente.

 

Ebola (1976)

Vírus do gênero Filovirus
Transmissão: Pessoas ou animais contaminados
Combate: Isolamento, quarentena dos contaminados, hidratação e controle de outras complicações infecciosas.

Surtos de ebola atingiram países da África em 1995, 2000, 2007, mas foram controlados. O surto de 2014 atinge Guiné, Serra Leoa e Libéria e já há casos confirmados na Nigéria. A OMS determinou estado de “emergência sanitária mundial” com o objetivo de conter o vírus e barrar surto de Ebola, o maior de que se tem conhecimento até agora.

 

Sarampo

Vírus Morbillivirus
Transmissão: Pessoas contaminadas.
Combate: Vacina

O sarampo era uma das doenças que mais matavam crianças até 1963, quando foi descoberta a primeira vacina. Em 2010, 139,3 mil pessoas morreram em decorrência do sarampo, grande parte delas na Índia e no continente africano.

 

Cólera 

Bactéria Vibrio cholerae
Transmissão: Água e alimentos contaminados ou a manipulação de alimentos por pessoas infectadas.
Combate: Higiene e saneamento básico. As vacinas disponíveis contra a cólera oferecem proteção relativa e de curta duração.

A 7ª pandemia de cólera teve início na Indonésia, em 1961, e atingiu o Brasil em 1991 pela fronteira do Amazonas com o Peru. A partir de 1995, houve uma importante diminuição no número de casos de cólera no país. Em 2005, os últimos casos do país.

 

Gripe Suína (2009 – 2010)

Vírus H1N1
Transmissão: Pessoas contaminadas
Combate: Evitar o contato com pessoas infectadas, higiene das mãos e vacina.

A pandemia causada pelo vírus H1N1 teve um surto global, com os primeiros casos surgindo no México em março de 2009. No final do mês de abril, a OMS declarou Emergência de Saúde Pública em Âmbito Internacional.

 

Fonte:

https://gauchazh.clicrbs.com.br/geral/noticia/2014/08/Conheca-10-doencas-que-assolaram-o-mundo-no-ultimo-seculo-4569160.html
https://saude.gov.br/saude-de-a-z/tuberculose
https://drauziovarella.uol.com.br/doencas-e-sintomas/ebola/
https://saude.abril.com.br/blog/tunel-do-tempo/semelhancas-covid-pandemias-passado/
https://drauziovarella.uol.com.br/doencas-e-sintomas/sarampo/
https://tnsul.com/2020/destaque/as-grandes-epidemias-ao-longo-da-historia/