A Nova Crise do Petróleo

A Nova Crise do Petróleo

A maior queda de preços do barril de Petróleo em 30 anos causou pânico no mercado de investimento no mundo todo. Vamos entender o que aconteceu?

A Arábia Saudita, líder da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), propôs um corte na produção para ajustar a oferta à demanda mais baixa de combustíveis devido ao surto de coronavírus, que ameaça o crescimento das economias, mantendo os preços estáveis.

Porém a Rússia, que também faz parte do cartel, se recusou a diminuir sua produção. A resposta da Arábia Saudita foi colocar sua produção em promoção: cortar o valor de venda do barril, iniciando um embate de proporções mundiais.

A guerra dos preços marca o fim de uma parceria entre os países que estava em vigor desde 2016 e que ajudou a reequilibrar os preços do petróleo. O preço do barril de petróleo chegou a cair mais de 30% durante o dia 9 de março, o pior resultado desde a Guerra do Golfo, em 1991. No fim do dia, a redução ficou em 20,6%.

Em relatório divulgado no início do mês, a Agência Internacional de Petróleo (AIE) estimou que o consumo de petróleo pode cair até 730 mil barris por dia este ano, o maior recuo desde 2009, quando os efeitos da crise financeira de 2008 ainda eram sentidos.

Conceitos importantes:
Opep

Com o objetivo de ganhar força frente às companhias ocidentais compradoras de petróleo, países produtores da commodity criaram a Organização dos Países Exportadores de Petróleo, composto inicialmente pela Arábia Saudita, Irã, Iraque, Kuwait e Venezuela, no dia 14 de setembro de 1960, na Conferência de Bagdá.

No encontro realizado em Caracas, em 1961, entre os países membros da organização, ficou estabelecido como diretrizes da Opep:

  • o aumento da receita dos países membros visando o desenvolvimento de cada um deles;
  • promoção gradativa do controle sobre a produção de petróleo com a intenção de desbancar as empresas transnacionais do mercado petrolífero;
  • unificação das políticas de produção.

Hoje fazem parte do bloco doze países, representando o Oriente Médio, África e América do Sul. São eles os cinco originais: Arábia Saudita, Irã, Iraque, Kuwait e Venezuela, somados a Angola, Argélia, Líbia, Nigéria, Equador, Emirados Árabes Unidos e Catar.

No fim, trata-se de um cartel do petróleo, controlando a produção e o preço do produto em escala global. Cerca de 75% das reservas mundiais de petróleo estão localizadas nos países integrantes da OPEP, por essa razão, é responsável por quase metade das exportações mundiais desse mineral.

Fontes:

https://valorinveste.globo.com/mercados/internacional-e-commodities/noticia/2020/03/09/entenda-a-nova-crise-do-petroleo-e-veja-ate-onde-pode-ir-a-disputa-entre-arabia-saudita-e-russia.ghtml
https://brasil.elpais.com/economia/2020-03-10/petrobras-tem-maior-queda-em-34-anos-e-guerra-do-petroleo-ameaca-afetar-ate-caixa-do-governo-federal.html
https://www.tororadar.com.br/investimento/bovespa/opep-organizacao-dos-paises-exportadores-de-petroleo
https://maisretorno.com/blog/termos/o/opep